Entre o Mito e a Fronteira

Estudo sobre a figuração da Amazônia 

na produção artística contemporânea de Belém

Contra o mito de uma “identidade amazônica”, o avanço das fronteiras da integração nacional. Contra uma experiência social antiga, enriquecida pelo isolamento da região em relação ao restante do Brasil, uma sociedade de crise, de processos sociais conflitivos e de extrema violência. Contra a sociedade de várzea e de rios, uma sociedade da “terra firme” e de estradas. A ambiguidade de estar entre o mito e a fronteira cnstituiu uma experiência social marcante para toda uma geração que viveu na Amazônia, sobretudo no estado do Pará, nas últimas décadas do século XX. Em torno dessa experiência se firmou um pacto de expressão e leitura de dimensão estética. Essa experiência social é o tema desde livro: um estudo sobre a intersubjetividade e a sedimentação da compreensão social por meio da obra de arte. A angustia da perda de referenciais e da perda de identidade sendo transformadas em processos de elaboração e de formulação da identidade.